We always have something to fix.
"Querida Julieta,
Eu te escrevo essa carta, pois não sei mais o que fazer para essa dor passar. Eu me apaixonei Julieta. Apaixonei-me por um belo rapaz que me fez acreditar no amor mais uma vez, acredita? Depois de tanto me machucar, eu estava ali acreditando de novo no amor. Eu tentei fugir, mas ele me abraçou e eu desisti de continuar fugindo. Não devia ter deixado isso acontecer porque agora eu estou chorando, sentindo um aperto no coração e um vazio no estomago. Ele matou as borboletas, mas por quê? Covardia? Ele foi covarde o suficiente para me amar? Julieta, ele era o homem que eu queria em minha vida, era gentil e calmo. Eu já me apaixonei antes, mas com ele foi diferente. Eu nunca havia chorado por desilusão, eu me mantinha forte. Não pensei que doesse tanto. Eu não me reconheço mais, Julieta. Sinto-me vazia, ando por ai como se faltasse metade de mim, mas continuo inteira. Estou totalmente sem fé, perdi a vontade de ver novos sorrisos ou provar outros beijos. Estou um clichê ambulante desde que ele se foi e odeio isso. Ele me apareceu como alguém digno de meu amor, mas ele me ensinou o que era chorar. No dia em que eu o conheci eu achei que ele era um desses meninos problemas, e eu estava certa. Mesmo eu achando isso, eu dei uma chance. Nunca devemos julgar um livro pela capa. Sim, eu dei uma chance, enquanto eu devia era ter mandado ele pra longe. Eu prometi que não escreveria uma carta de amor para ele, por isso estou te escrevendo querida Julieta. Você teve seu romance trágico, você morreu por seu amado. Eu não quero alguém que me ame a ponto de morrer por mim, mas sim alguém que me ame ao ponto de quere me cuidar. Quero alguém que podendo ter mais dez meninas, escolha ficar comigo somente. Quero alguém que precise de mim, sem loucura, sem dor… Só amo. É tão difícil? Ele me convenceu a ser dele, me fez dele e fez com que eu acreditasse que eu precisava disso. Eu me acostumei com um amor falso, e não quero isso. Eu quero um amor de verdade, alguém que tire meu fôlego, mas que seja verdadeiro. Eu quis o coração dele sem saber que nem ele eu tinha. Querida Julieta, me perdoa por cada palavra nessa carta. Desculpe-me por reclamar de um sentimento tão bonito, mas olhe pelo meu ponto de vista: estou machucada. Por que dói tanto quando descobrimos que foi tudo uma ilusão? Por que machucar tanto amar alguém? Oh Julieta, achei que ele me amaria e que, enfim, tinha encontrado rapaz certo. Eu me enganei como em todas as outras vezes, ele foi mais um que me machucou. Mas ele, ah, foi o melhor deles. Foi o que mais amei e o que mais quis e por isso hoje eu sei como é ter um coração partido. Ele foi o primeiro a quebrar meu coração e o primeiro a me ensinar o que é chorar realmente. Eu o amo tanto e não o tenho. Ele já está com outra e diz que ela é a mulher da vida dele, ele disse isso pra mim e deve ter dito para as outras antes. Ele é tão estúpido assim que não vê o quão frágil é um coração? É triste saber que a piada da vez sou eu, que ele olha pra mim e ri de pena por eu ter achado que ele me amaria. É triste saber que alguém pode ser tão cruel ao ponto de não saber amar quem lhe entrega o coração. Eu preciso tira-lo do meu coração e de minha cabeça, preciso esquecer seus toques e suas palavras tão falsas. Ajude-me querida Julieta, você e seu amor puro tão genuíno, me explique como posso esquecê-lo. Eu não quero mais chorar por ele, não quero continuar assim. Quero encontrar meu Romeu, assim como você encontrou o seu. Quero poder ser amada e saber que é verdadeiro. Perdoe-me de novo por essa carta tão mal escrita e cheia de lágrimas, eu o amo sem poder. Eu estou amando uma pessoa que me enganou, preciso tira-lo de meu peito. Seu amor foi proibido e acabou em mortes, o meu foi ilusão e acabou do mesmo jeito. Acabou na morte do meu amor próprio e do meu orgulho. Na morte da menina que eu era antes dele aparecer. Eu não posso continuar assim. O amor dele nunca foi amor. Ele quis arranjar mais uma menina pras marcas em sua cama. Ele me quis até o momento em que fui dele, agora ele já está atrás de mais uma que faço o mesmo. Ele nunca amou e nem vai amar nenhuma de nós. Nosso amor foi ilusão, mas ainda me machuca. Me ajude Julieta, eu te peço com todo coração que me resta.”
Com amor, Emma.  (via quase-heroi)
"Meus dias já foram mais produtivos, em todos os sentidos. Meus sorrisos já foram mais largos e duradouros. Minha disposição para ir em busca de novas pessoas, ou para fazer qualquer coisa que me distraía, já foi mais ativa. Minha agenda telefônica já esteve mais numerada. Minha caixa de entrada hoje já não precisa mais ser checada. Minha janela totalmente trancada. O escuro do quarto, o largo espaço vago na cama, me faz se sentir mais incompleto do que já sou. Sentava-me sempre sobre o fino tapete frio durante horas, imóvel. Devo ter esquecido como me reciclar, é o mesmo pensamento insano sobre o que fazer com a poeria, com o que sobrou de mim. Olha só pra mim, perdido, rodeado de diálogos mortos, procurando algo que viva. Pedindo atenção ao rádio que toca música clássica.”
Edgar Diego.   (via romancismo)

Se não te procurei mais, aprendi com você.

meu cérebro é mais ou menos assim: “ahh, que saudade… que saudade o que, vai se foder”

"Esses dias uma pessoa me perguntou se eu já comi “cupcake”. Por um momento até me senti envergonha por dizer que “não”, e realmente eu nunca tinha comido. Como assim eu, uma pessoa tão antenada no mundo, nunca comeu o bolo do momento? Resolvi comprar e vê o que havia de tão especial nesse tal bolinho. Tenho que admitir que ele é lindo. Maravilhoso. Todo colorido, enfeitado, e é de causar água na boca de qualquer um que olhar. Deve ser por esse motivo que ele é tão apreciado por todos. Mas a partir do momento em que eu dei a primeira mordida, e percebi que ele não tinha absolutamente nada de especial em relação aos outros bolos, foi quando eu me decepcionei. Me decepcionei porque até aquele bolo que mamãe faz com cobertura torta de chocolate, chega a ser muito mais gostoso. E olha que ele nem é tão bonito assim. É triste admitir, mas tem passados tantos “cupcake’s” na minha vida. É tanta gente linda por fora e sem graça por dentro, tanta gente fingindo ser o que não é, tanta gente se achando melhores que as outras, tanta gente inútil! Foi ai que eu aprendi que, a gente só sabe quando algo é bom, conhecendo. Até porque, conheço muitos bolos com cobertura torta de chocolate, melhores que esses “cupcake’s” por ai. E quer saber de uma coisa? Eu não os troco por nada nesse mundo.”
Thiara Macedo (sdpm)
©